Seguidores

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Sexta-Feira- Frases que resumem a semana



“Nem sempre eu concordo com tudo o que vocês dizem, mas é assim que a democracia funciona”
Mark Zuckerberg,
CEO do Facebook, ao agradecer à imprensa americana por “trazer à tona a verdade”


“Faço-o com tristeza, mas em razão de problemas de saúde”
José Serra,
ex-ministro das Relações Exteriores, em carta de demissão ao presidente Michel Temer



“Quem indicou o ministro Joaquim Barbosa? Foi o Lula. No entanto, ele agiu com firmeza absoluta”
Geraldo Alckmin (PSDB-SP),
governador de São Paulo, ao dizer que o novo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, indicado por Michel Temer, será firme em suas decisões


“Essa recessão já terminou”
Henrique Meirelles,
ministro da Fazenda, ao afirmar que o país está voltando a crescer, apesar de ainda sentir as consequências da crise


“O professor que não reconhece ser um aprendiz não consegue transformar seu método de ensino”
Wemerson da Silva Nogueira,
professor capixaba e um dos dez finalistas do Global Teacher Prize, uma espécie de Nobel dos professores


“Jabuticabas não deixam o país crescer”
João Carlos Brega,
presidente da Whirlpool, dona de marcas como Brastemp e Consul, ao criticar a burocracia, a infraestrutura portuária e os custos trabalhistas brasileiros que minam a competitividade da produção local


“Alguém que participou da resistência e sabe o que é um golpe. Dizer isso não dá”
Roberto Freire,
ministro da Cultura, ao dar  continuidade ao bafafá da entrega do Prêmio Camões de Literatura. Na ocasião, ele retrucou a fala do escritor Raduan Nassar, para quem o
impeachment da ex-presidente Dilma foi um “golpe”

“Claro que o ministro sumirá da História e a obra do premiado ficará, enquanto houver algum livro no planeta”
Alexandra Lucas Coelho,
escritora portuguesa, ao afirmar que Roberto Freire “abusou do cargo político, distorcendo e agredindo um criador como Raduan”


DEDO NA CARA
“Não gostaria, pois teria  de lidar com Alexandre de Moraes, com quem não tenho uma relação de confiança”
Eugênio Aragão,
subprocurador-geral da República e ex-ministro da Justiça, ao responder, em maio de 2016, à proposta para assumir a 6a Câmara do Ministério Público Federal


“Então, tá, Arengão, bota a língua no palato”
Rodrigo Janot,
procurador-geral da República, para Eugênio Aragão. Segundo Janot explicou a Aragão, seria uma metáfora para “fique calado”. A troca de mensagens por  WhatsApp e e-mail tornou-se pública agora


TOMATE DA SEMANA
“Estão querendo pregar em todos nós a cruz de Israel no peito, como os nazistas pregaram nos judeus que viviam na Alemanha”
Romero Jucá (PMDB-RR),
senador, ao comparar a imprensa brasileira com os nazistas que perseguiram os judeus.


Por epoca.globo.com