Seguidores

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Decisão polêmica-

Tiririca
Bolsa Esposa- Tiririca afirmou que será hipocrisia dizer que não usara verba para bancar viagens da esposa

A decisão da cúpula da Câmara de permitir que maridos e mulheres dos deputados tenham direito a passagens aéreas provocou um burburinho nos corredores da Casa e num plenário com mais de 300 deputados em plena quinta-feira (26).
Divididos, os parlamentares recorreram a piadas e até fizeram verdadeiros exercícios verbais para justificar a concessão do benefício, mas boa parte assegurou que não vai usar a regalia.
Pela regra, só os cônjuges com registro em cartório poderão utilizar a cota de passagens do congressista.
 
A medida foi aprovada junto ao reajuste de outras verbas à disposição dos deputados, que totalizam um impacto de R$ 150,3 milhões por ano.
 
Nas rodas de conversa, as reações foram diferentes, mas é consenso o desgaste trazido pela Casa num momento que o país discute um ajuste fiscal. A benesse ganhou até apelido de "bolsa esposa" e "transpatroa".
 
O deputado Tiririca (PR-SP) defendeu. "Estou na minha. Eles [comando da Casa] fizeram e não vou ser hipócrita de dizer que não vou usar", afirmou.
 
Jair Bolsonaro (PP-RJ) considerou que a Casa "extrapolou". "Não tem como defender", disse. O líder do PRB, Celso Russomano (SP), sustentou que não vai fazer uso da medida, mas que não tem posição sobre o benefício. "Vou fazer uma consideração da vida parlamentar: você vem para Brasília, abandona sua família e muitos casamentos vão para o vinagre por causa disso", ponderou.
 
Para Marco Feliciano (PSC-SP), a medida é justa, mas arranha a Casa. "É justo, mas é mais um desgaste para a imagem do Parlamento que já está desgastado demais".
 
Integrante da cúpula da Câmara, a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) votou contra a concessão. "A sociedade vem colocando uma posição de muita indignação e reclamação em relação à Casa. Neste momento, [o pacote de benefícios] acentua ainda mais o distanciamento entre o Parlamento e a sociedade".
 
Chico Alencar (PSOL-RJ) disse que está tendo que se explicar a todo minuto se vai usar ou não a regalia.
 
Até o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se apressou em negar que haja regalia. "Não tem esse negócio de namorada, não existe isso", disse ao rebater as críticas.
 
Em 2009, durante o escândalo que ficou conhecido como "farra das passagens", deputados usaram recursos públicos para custear passagens para familiares, namoradas, eleitores e até artistas. Na época, a Casa restringiu os bilhetes a deputados e assessores.
 
LOCOMOÇÃO
 
Cunha afirmou que a medida foi autorizada pensando em parlamentares que precisam de ajuda para locomoção e são mais idosos. O peemedebista afirmou que não vai utilizar as passagens, assim como 80% da Casa.
 
"Ninguém é obrigado a usar. A Mesa não determinou que o deputado é obrigado, só deu o direito. Cada um faz o uso do mandato que entender melhor", disparou.
 
As lideranças do PSDB, do PPS e do PSOL, que representam 69 deputados, anunciaram que suas bancadas não vão usar a passagem para cônjuges.
 
O PSDB chegou a informar que iria ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a medida, mas recuou e decidiu, primeiro, tentar uma solução interna. Os tucanos vão apresentar um projeto para sustar o ato da cúpula que autoriza o benefício.
Folhapress