Seguidores

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Repórter Secreto do Fantástico em Ribas do Rio Pardo, em Mato Grosso do Sul

Presidente de Câmara de Vereadores foge de pijama da polícia após desvio
Adalberto Alexandre Rodrigues é acusado de envolvimento no sumiço
R$ 3,5 milhões em dinheiro público em Ribas do Rio Pardo.
O Repórter Secreto do Fantástico está de volta e foi a Ribas do Rio Pardo, em Mato Grosso do Sul, investigar diárias fantasmas para os vereadores! São diárias mais altas até que as da câmara dos deputados, um escândalo de R$ 3,5 milhões. Por isso, a população da cidade pergunta: "Cadê o dinheiro que estava aqui?".

Janela onde pulou de pijama o presidente da câmara municipal
Seis horas da manhã de um dia de semana, em Ribas do Rio Pardo, Mato Grosso do Sul. Esse tipo de coisa que você vai ver agora não acontece na frente da casa de uma pessoa de bem.
Envie sua denúncia sobre corrupção para o Fantástico
Polícia na porta de quem mexe com dinheiro público. Lá dentro, nada acontece. Passam-se três minutos até o interfone ser atendido pela dona da casa. Já já você vai entender por que três minutos, neste caso, são uma eternidade.
Promotores de Justiça perguntam pelo marido dela, que é nada menos do que o presidente da Câmara de Vereadores da cidade. Pelo interfone, a mulher diz que o marido não está em casa.
"A senhora por favor pode nos atender aqui na porta, por gentileza?", pede o agente pelo interfone.
A polícia precisa cumprir um mandado de prisão contra Adalberto Alexandre Rodrigues, vulgo "Betinho". Acusado de envolvimento no sumiço de R$ 3,5 milhões de dinheiro público.
É por isso que o Repórter Secreto do Fantástico está acompanhando essa ação para saber: cadê o dinheiro que tava aqui?
Desde que a mulher atendeu ao interfone, passam-se mais dois minutos. Aí, ela abre a porta. Diz de novo que o marido não está. Por que Adalberto não está em casa? Primeira versão:
Mulher: Olha, ele foi lá pra fazenda, lá para o Rio Verde.
Policial: Que horas?
Mulher: Ontem, umas duas horas da tarde.
Policial: A senhora está mentindo.
Os promotores sabem que a mulher está mentindo porque a polícia já estava vigiando a casa desde o dia anterior.
Mulher: Ai, desculpa. É que eu estou nervosa.
Policial: Então. Por que a senhora tá mentindo?
Mulher: Ele saiu. Pode entrar. Ele não está aqui, juro por Deus.
Por que Adalberto não está em casa? Segunda versão:
Policial: Que horas que ele saiu?
Mulher: Ele saiu daqui era umas 3h da madrugada.
Policial: Para onde que ele foi?
Mulher: Eu não sei.
Policial: Três horas da manhã não veio ninguém aqui. Não entrou e não saiu ninguém. Eu quero saber até onde a senhora vai. Que que a senhora quer? Quer se complicar junto com o marido da senhora ou não?
Mulher: Não. Eu não quero. Eu já estou cansada dessa vida.
 Policial: Então, então. Por isso mesmo.
Finalmente, ela joga a toalha: “Ele estava aqui. A hora que vocês chegaram ele pulou a janela. Não sei pra onde que ele foi”, diz.
É por isso que se passaram cinco minutos até a mulher do presidente da Câmara abrir a porta. Nesse meio tempo, Adalberto aproveitou para fugir. Pulou a janela, nem trocou de roupa. Deu no pé, de pijama! Policiais e promotores vasculham a casa e o terreno, mas já é tarde.
O desfecho dessa história você vai ver daqui a pouco. O caso todo é o seguinte:
Adalberto Alexandre Rodrigues é um dos sete vereadores de Ribas do Rio Pardo acusados de desvio de dinheiro público, um dinheirão, R$ 3,5 milhões.
Segundo investigação do Gaeco, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, órgão do Ministério Público, o coração do esquema estava no recebimento de diárias.
“Uma diária de vereador para deslocamento dentro do próprio estado era em torno de R$ 750 e, quando o deslocamento era para fora do estado, de R$ 1.500 por dia”, destaca Marcos Alex Vera de Oliveira, coordenador do Gaeco em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.
O valor muito alto chamou a atenção das autoridades. Veja a comparação. No Congresso, os deputados federais recebem: R$ 524 para viagens no Brasil.  O equivalente a R$ 1.049, para viagens na América do Sul. E, para o resto do mundo, a diária é de R$ 1.148.
“Um deslocamento da cidade de Ribas do Rio Pardo até a cidade de Campo Grande, que é capital, é um trajeto de 90 quilômetros, que na verdade dava direito a uma diária de R$ 750”, diz o promotor.
Até aí, pode ser uma questão de ética, o sujeito embolsar R$ 750, em missão oficial, para ir ali e voltar. Só que era mais do que isso, era roubo mesmo.
“Muitos pagamentos foram feitos sem que esses vereadores tivessem realmente se deslocado da própria base, de Ribas do Rio Pardo”, destaca o promotor.
Preste atenção nessa gravação autorizada pela Justiça. Adalberto conversa com o então diretor administrativo da Câmara, Cacildo Pedro Camargo.
Cacildo: Eu estou pagando as diárias aqui. O Fabiano veio pegar aqui, acho que a dele é três.
Adalberto: Dele é duas, porque o curso já começou, ele não está lá. É duas. Fala pra ele que, se ele quiser, é isso aí.
O Fabiano de quem eles estão falando é Fabiano Duarte da Silva, que também era vereador. O salário deles era de R$ 4.500. Com as diárias fraudulentas, os ganhos dos parlamentares do esquema subiam para R$ 11,5 mil. Mais do que o dobro.
Segundo o Ministério Público, de junho de 2013 até o fim do ano passado, somente a farra das diárias movimentou R$ 523 mil de dinheiro público.
Tem mais. Tem nota fria de tudo quanto é tipo. O repórter Eduardo Faustini vai a uma churrascaria para checar uma suposta despesa com refeições e bota despesa nisso.
Fantástico: A Câmara pagou 25 mil reais em churrasco.
Homem: Só que pra mim não foi esse dinheiro, não.
Este homem é marido da dona da churrascaria. E ela, claro, está revoltada. “Se ao menos eu tivesse visto a cor do dinheiro, tudo bem, mas nem vi cor de dinheiro”, diz Alexandra Oliveira Machado, dona do restaurante.
No restaurante, a quentinha sai por R$ 10. Vem com arroz, feijão, macarrão, farofa, mandioca e carne. Assim, com os tais R$ 25 mil, os vereadores poderiam encomendar 2.500 quentinhas. Isso daria, num ano, 7 quentinhas por dia, todos os dias. Fim de semana, feriado e tudo.
No início da reportagem, a gente disse que o esquema movimentou ao todo R$ 3,5 milhões, 523 mil sumiram na jogada das diárias. O resto do dinheiro, segundo o Ministério Público, foi desviado em contratos fraudulentos, feitos sem licitação. Com serviços que não eram prestados ou produtos que não eram entregues.
O Repórter Secreto foi a cada uma das empresas investigadas, mas ninguém quis falar. Uma dessas empresas é um supermercado que, na falcatrua, funcionava como um banco.
“Como um banco informal no qual, na verdade, o vereador que precisava de dinheiro, autorizado pelo presidente da câmara, fazia um saque utilizando um vale, afiançado pelo presidente da Câmara Municipal”, destaca o promotor.
O repórter Eduardo Faustini encontrou o dono do supermercado.
Fantástico: Vereadores sacavam dinheiro no seu caixa, em espécie. Isso é verdade, confirma isso?
Dono: Não, não é.
Fantástico: O que que acontecia?
Dono: O que eu tenho a dizer é que isso daí não procede, só isso.
“Uma nota fria iria cobrir, legitimar essas despesas para que na prestação de contas não ficasse nenhuma sombra de dúvidas, ou que eles maquiassem efetivamente essa irregularidade”, diz o promotor.
Cadê o presidente da Câmara, que não estava aqui? Acabou se entregando um dia depois de a polícia ir à casa dele. “Tenho nada para relatar”, diz o presidente da Câmara.
Fantástico: Sr. Adalberto, quando os policiais chegaram à sua casa, o senhor fugiu de pijama pela janela?
“De jeito nenhum”, afirma o presidente da Câmara.
Fantástico: O senhor não saiu pela janela, de pijama?  O que o senhor tem a falar sobre a sua prisão, seu Adalberto?
Ele e seis vereadores foram afastados da Câmara. Assim como funcionários da Casa envolvidos no escândalo. A população de Ribas do Rio Pardo foi às ruas protestar. O novo presidente diz que vai abaixar o valor das diárias e não quer saber de roubalheira.
“Eu quero ser acordado, sim, num dia de manhã, com um beijo de um filho meu, com um beijo de uma neta minha, mas com a polícia batendo na minha porta para me levar preso, jamais”, diz o novo presidente da Câmara, Roberto Collis.
O Fantástico procurou os vereadores e servidores mencionados nesta reportagem, mas não houve resposta. E o ex-presidente da Câmara continua preso. Mesmo assim a gente pergunta: Senhor Adalberto -- cadê o dinheiro que tava aqui?

Presidente da Câmara
Fonte: Globo /Fantástico