Seguidores

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Do Folha de São Paulo

 
O PAC engoliu....

O secretário de Agricultura de Novo Progresso (PA), Marcelo Reis Silva, afirma ter ouvido de terceiros, quando ainda morava no Maranhão, de que antes de 2006 a cidade só tinha “eiro”: “maconheiro, pistoleiro, madeireiro, grileiro, atoleiro...”.
Mas ele também denuncia a morosidade na titulação das terras e as ações do Ibama, que na sua opinião não incomodam os grandes desmatadores.
“Com a pressão do Ibama, está saindo gado em pé [de Novo Progresso], e não só para o abate -50 mil desde novembro”, diz o técnico em agropecuária baiano criado no Maranhão. Ele considera a pecuária bovina inviável na região, a não ser que a produtividade aumente para três cabeças por hectare.
“Tudo que foi prometido -título, crédito-, nada aconteceu. O [plano] ‘BR-163 Sustentável’ nunca saiu do papel”, diz Silva. “A culpa pelo desmatamento é do governo federal.”
“A implementação [do plano] foi insignificante”, concorda Edivan Carvalho, pesquisador do Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia. Para ele, o componente do ordenamento territorial perdeu espaço para as grandes obras na região, como o porto graneleiro de Miritituba e as cinco hidrelétricas previstas para o rio Tapajós. “O PAC engoliu o plano ‘BR-163 Sustentável’.”Coninue lendo AQUI