Seguidores

quarta-feira, 11 de junho de 2014

E Viva o Ibama

Caminhão queimado por fiscais ambientais do Ibama- Facebbok
Para quem vê de fora, a nossa região de hoje parece ser o pior  lugar do mundo , onde só existe desmatadores e bandidos.
A mais de quatro anos  queimar equipamentos usado para extração de madeira na região de Novo Progresso e Altamira no estado do Pará , são medidas corriqueiras, tomadas pelos fiscais ambientais; “põe fogo e tiram fotos para exibir inter nacionalmente o orgulho de suas conquistas na Amazônia”.
Infelizmente este é o tratamento recebido por fiscais ambientais que atuam na região de Novo Progresso e Altamira.  Com suas ações eles mostram para o mundo que aqui o povo não é civilizado, e levam méritos por suas barbáries (ações).
Recentemente os fiscais Ambientais coordenados pelo famoso “Rambo do Ibama” ateou fogo em três caminhões, uma motocicleta e um trator de esteira na vicinal da bueira próximo a comunidade de Cachoeira da Serra, distrito de Altamira. Nesta operação causou revolta da população, para isto foi exigido a presença  de representantes do governo federal  para ver de perto a real situação que vive os trabalhadores da extração madeireira em Cachoeira da Serra.
A reunião aconteceu nestaterça-feira (10) , conforme prometido, representou o governo o superintendente do Ibama Hugo Américo, que relatou o resultado da reunião na radio comunitária de Novo Progresso.
Para ele  a reunião foi pacifica, em nenhum momento houve por parte dos moradores algum tipo de exaltação, Ibama e comunidade puderam dialogar com exatidão sobre o assunto.
Na reunião os moradores lamentaram e atitude de  agentes ambientais em queimarem seus equipamentos, fato este considerado abusivo pelo representante do Ibama, abusivo mais não ilegal porque a lei ampara os fiscais para queimar os equipamentos de quem estiver praticando ato ilegal ao meio ambiente, disse.
No final o Ibama prometeu abrir investigação sobre o ocorrido naquela comunidade,  onde as duas partes poderão se defender , neste caso o proprietário dos equipamentos queimado e o agente acusado de atear fogo. Hugo comentou que não concorda com atitude de queimar equipamentos aprendidos, mas  em disponibiliza-lo ao município para poder realizar obras em favor da coletividade, disse.
Enquanto isto se marca reunião para marcar a data da próxima reunião ,os problemas (Madeira, Pecuária  e Garimpo) ambientais na região,  continuam sobre fiscalização do Ibama, e nada na pratica é resolvido. Quem for pego extraindo madeira ilegalmente vai ser multado e seus bens apreendidos, ao invés de serem queimados ficarão a disposição das prefeituras para realizarem serviços comunitários, conforme determina a legislação.
O deputado federal Zequinha Marinho , até agora foi o único que na  pratica esteve até a comunidade e ouviu e denunciou o tratamento recebido pelos trabalhadores da região ao MPF para investigar. Em pronunciamento na Câmara Federal ;   “Os agentes agiram de forma repressora, prendendo e humilhando trabalhadores inocentes”, disse  o parlamentar. Atitude ao menos sensata, que de imediato não traz resultados, mas tornou publico a atitude dos fiscais ambientais na região.
Para Brasília o impasse na Cachoeira da Serra esta sobre controle, aonde os lideres comunitários estão sobre aviso de que as ações truculentas dos agentes do Ibama na operação de fiscalização “Onda Verde” serão menos agressivas mas continuam a todo vapor.
Para os trabalhadores que não conseguem se legalizar, terão que continuar trabalhando na informalidade, sabendo eu seus equipamentos caso forem apreendidos, ficarão a disposição da justiça para uso das prefeituras.
Finalizando, qual foi o resultado desta reunião? Leia mais AQUI