Seguidores

domingo, 23 de fevereiro de 2014

CRIME EM ITAITUBA

Advogados querem a prisão preventiva de suspeito
Leda, a filha e a funcionária foram encontradas mortas no
 interior de uma loja (Foto: Reprodução)

O presidente da OAB-PA, Jarbas Vasconcelos, e advogados de Itaituba, no oeste paraense, se mostraram insatisfeitos com o trabalho da polícia do município, que decidiu liberar Altair Santos, principal suspeito do assassinato da procuradora Leda Marta Lucyk dos Santos, 40 anos.
“Vale ressaltar que o motivo dessa insatisfação é devido à relação de amizade existente entre o delegado que estava no caso e o suspeito do crime, o também advogado Altair Santos, ex-companheiro da diretora da subseção”, informou o presidente da OAB-PA. Segundo Jarbas, a amizade existente entre eles podia comprometer a isenção do policial nas investigações.

Os advogados querem a prisão preventiva do suspeito, o advogado e ex-esposo da Leda Marta. “Ele precisa ser investigado e a polícia precisa conseguir um mandado de busca, a quebra de sigilo bancária, etc. Estamos insistindo que os delegados peçam a temporária, pois corremos o risco de ele acabar fugindo.”, afirmou.
A insatisfação teria motivado a solicitação de mudança do delegado responsável pelo caso. Após o pedido da Ordem dos Advogados, dois advogados de Santarém assumiram as investigações sobre o triplo homicídio. O Delegado Silvio Birro e o superintendente regional da Polícia Civil, Jardel Guimarães já estão em Itaituba junto com uma equipe para dar continuidade aos trabalhos. 
O CRIME
O corpo de Leda foi encontrado na noite de sábado (22) dentro da loja da qual era dona, com várias perfurações causadas por um objeto cortante. Ao lado dela estava o corpo de sua filha, Hannah Estela, 10 anos, e da funcionária da loja, Taynara Siqueira, ambas também com perfurações no corpo. 
(DOL com informações da OAB-PA)