Seguidores

terça-feira, 5 de março de 2013

EM ITAITUBA

Deputados apuram denuncias de tortura no presidio de Itaituba.
Foto -Deputados
 
Graves, muito graves, as acusações feitas por presos da cadeia pública de Itaituba, na sexta-feira passada, a um grupo de deputados estaduais da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa). E não apenas depoimentos: vários deles apresentavam hematonas, especialmente nas costas, marcas, segundo eles, de espancamento que sofreram de policiais militares do grupamento Tático da PM.

A sessão de tortura teria acontecido depois que um grupo de presos fugiu, na madrugada da sexta-feira, 22 de fevereiro, serrando barras de grades das celas.

Segundo a direção da casa penal, temendo uma rebelião e fuga em massa, ele autorizou uma revista geral nas celas. Foi quando, também segundo ele, os presos resistiram e partiram para o confronto com os soldados da PM. Soldados e os agentes penitenciários garantem que houve rigor, mas não excesso. Os presos denunciam que foram agredidos com spray de pimenta e forçados a passar por um "corredor polonês", quando sofreram bordoadas nas costas.

Em encontros reservados, os deputados ouviram seis presos, agentes prisionais e policiais militares envolvidos na revista. À tarde, em audiência pública na Câmara Municipal de Vereadores local, eles também ouviram denúncias de familiares de presos e de representantes da Subsecção de Itaituba da Ordem dos Advogados do Pará.

Os deputados estão elaborando relatório com as informações colhidas. Nele, também vão emitir um parecer sobre as denúncias e apresentar medidas punitivas aos prováveis responsáveis pela violência. Os deputados parece terem voltado com uma certeza: houve, sim agressões aos presos!

A delegação da Alepa foi integrada pelos deputados Carlos Bordado (PT), Nélio Aguiar (PMN), Augusto Pantoja (PPS) e Edmilson Rodrigues (PSol). A deputada Josefina Carmo (PMDB), também integrante da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, impedida de fazer a viagem, enviou representante. O advogado e secretário geral da Sociedade Paraense de Defasa dos Direitos Humanos (SPDDH), Marcelo Costa, também acompanhou a delegação