Seguidores

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

PARALISAÇÃO

Servidores do TRE farão paralisação de dois dias
Trabalhadores reivindicam melhorias salariais da categoria
Os servidores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PA) deverão cruzar os braços hoje e sexta-feira (17). A paralisação, com tempo determinado de 48 horas, pretende chamar atenção para as reinvindicações salariais da categoria, que está sem atualização há seis anos. Com a mobilização, os servidores pretendem pressionar o governo Dilma Rousseff a conceder reajuste salarial. A manifestação está sendo organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal do Pará e Amapá (Sindjuf-PA/AP). Durante a paralisação, a entidade deverá organizar uma programação de debates e mobilizações. O Sindicato promete manter o atendimento ao público com 40% do efetivo durante o movimento grevista e nenhum setor, cartório ou zona eleitoral deverá ser fechado.
Alice Romano, que integra a diretoria do Sindjuf, diz que a greve foi decidida em assembleia realizada no dia 8 deste mês. Hoje, às 8h, os servidores farão assembleia no hall do TRE-PA, para avaliar se após o período de 48h de paralisação, haverá necessidade de prosseguir com o manifesto. Na ocasião, os trabalhadores levarão faixas em protesto contra o congelamento salarial. No dia seguinte, uma assembleia geral está agendada no mesmo local, onde outras decisões poderão ser tomadas. O Sindicato ainda não sabe dizer qual deverá ser a taxa de adesão à paralisação. 'Só vamos poder ter uma ideia amanhã [hoje], durante a Assembleia no TRE', explica.
De acordo com a diretora do sindicato, há seis anos os salários dos servidores do Poder Judiciário Federal não acompanham a inflação. Para que a correção salarial seja garantida, é necessário que a Câmara os Deputados aprove o Projeto de Lei (PL) 6613/09, que está parada na Comissão de Finanças e Tributação (CFT). 'A manobra dos governistas é para adiar o direito dos servidores, o que vem aumentando a insatisfação dos trabalhadores e motivando greves dos servidores do Poder Judiciário Federal em todo o País', avalia Romana.
Fonte: O Liberal